Comunicado | China

-A A +A

Comunicado

Alacero - São Paulo, Brasil, 19 de junho, 2019.

Diante da informação divulgada (esta semana) sobre o fato da China ter retirado sua reinvindicação contra a União Europeia para ser reconhecida como economia de mercado pela Organização Mundial do Comércio (OMC), a Associação Latino-americana do Aço (ALACERO) manifesta que este acontecimento é importante porque implica em um precedente a todos os outros produtos (de aço?) oriundos da China, já que confirma o que a indústria do aço vem dizendo há muitos anos: a China não é uma economia de mercado.

Sabemos há muito tempo que a China é um problema porque todos os subsídios que sua indústria recebe distorceram o mercado global de aço. Isso vem gerando uma perda de emprego e desenvolvimento industrial na América Latina, pois a indústria local não pode competir em concorrência desleal e desigual. O mundo tem procurado se defender da sobrecapacidade global causada pela China e muitos países impuseram medidas para mitigar os efeitos desse comércio injusto.

Os atuais casos antidumping mostram que existe uma reação latino-americana contra o comércio desleal da China, embora o mecanismo não pareça ser suficiente ou efetivo. Atualmente existem 10 casos antidumping relacionados ao aço em andamento (66 em vigor) na América Latina, dos quais 70% são contra a China. A saída da China desta demanda contra a União Europeia proporciona um argumento novo e sólido para avançar na defesa de mercados cada vez mais afetados pela concorrência desleal.