Consumo sustentado de aço consolida crescimento da produção

-A A +A

A produção de laminados e a demanda aumentaram 17% cada uma em relação ao primeiro trimestre de 2020, retomando níveis pré-pandemia

Alacero - São Paulo, Brasil, 17 de junho de 2021O consumo de aço cresceu pelo terceiro trimestre consecutivo, impulsionado principalmente pelos setores de construção e manufaturas, com um desempenho econômico heterogêneo entre os principais países da região, como México, Brasil e Argentina. O nível acumulado até março, de 18,4 milhões de toneladas (Mt), registrou um aumento de 17% em comparação com o mesmo período de 2020 e de 5,5% em relação ao mesmo período de 2019. Em março, o consumo de aço subiu 27% comparado com o mesmo mês do ano passado, atingindo 6,71 Mt, 17,4% acima do observado no mesmo mês de 2019.

No primeiro trimestre, as importações cresceram 3,4 pontos porcentuais em participação do consumo regional em relação ao trimestre anterior. Foram importadas 6,4 Mt, mais 15% do que nos três primeiros meses de 2020, e mais 9% do que no primeiro trimestre de 2019. Em março, 52% das importações vieram da China, atingindo níveis acima dos registrados em janeiro (30%) e fevereiro (33%). Quanto às exportações, o acumulado do trimestre foi de 1,8 Mt, menos 17% do que o acumulado nos três primeiros meses de 2020 e mais 23,6% do que em 2019. Isso levou a um aumento do déficit comercial, que no primeiro trimestre do ano foi 36% maior do que em 2020.

Os dados de comércio e consumo estão em sintonia com o crescimento de 13% da produção mensal de aço laminado registrado em março. Em abril, no entanto, houve uma queda de 1% na mesma comparação, embora a produção já esteja nos níveis de 2019. No quarto mês do ano acumula um aumento de 16,9% em relação ao primeiro quadrimestre de 2020. A produção mensal de aço cru registrou uma alta de 2% em abril, acumulando entre janeiro e abril um aumento de 13,9% em comparação com os primeiros quatro meses de 2020.

“A demanda continua se recuperando. Estes dados são animadores, embora de maneira desigual por país e setor. Além disso, devemos continuar atentos às importações extrazona, que representam um risco e deslocamento da produção da nossa região. Em março as importações subiram 27% em relação ao mesmo mês de 2020, a metade proveniente da China”, disse Alejandro Wagner, diretor executivo da Alacero. “A recuperação do setor siderúrgico e da sua cadeia de valor é muito importante para a América Latina, que foi uma região muito afetada economicamente pela pandemia da Covid-19. O setor gera 1,2 milhão de empregos qualificados e capacitados na região, e é preciso preservá-los. Para que esta recuperação se mantenha ao longo do tempo, são necessárias políticas públicas que favoreçam os investimentos privados nacionais e estrangeiro stimulem a recuperação econômica, levem à redução da carga tributária e ao aumento da produtividade”, acrescentou.

Sobre a Alacero

A Alacero – Associação Latino-americana do Aço – é a entidade civil sem fins lucrativos que reúne a cadeia de valor do aço da América Latina para fomentar os valores de integração regional, inovação tecnológica, excelência em recursos humanos, segurança não trabalho, responsabilidade empresarial e sustentabilidade socioambiental. Fundada em 1959, é integrada por mais de 60 empresas produtoras e afins cuja produção é de perto de 60 milhões de toneladas anuais. A Alacero é reconhecida como Organismo Consultor Especial pelas Nações Unidas.

Contato | [email protected]