O aumento da produção de aço é fundamental para a recuperação da América Latina

-A A +A

A rápida resposta da indústria conseguiu acompanhar um aumento de 39% no consumo de aço registrado desde abril

Alacero - São Paulo, Brasil, 12 de janeiro, 2021. A indústria siderúrgica tem sido fundamental para a recuperação da América Latina no contexto da pandemia, mostrando flexibilidade em sua operação e focada em atender a demanda local. A produção de aço bruto totalizou 5,294 milhões de toneladas (Mt) em novembro, o melhor mês em 2020. Isto aconteceu em quase todos os países da região, com ênfase especial no Brasil, que liderou a retomada. No período, a produção de Altos Fornos cresceu 8,4% em relação a outubro atingindo 2,766 Mt com o religamento dos equipamentos no Brasil, enquanto a produção de Fornos Elétricos se manteve estável, atingindo 2,528 Mt. Em relação aos produtos laminados, a produção de tubos sem costura atingiu 82,1 mil toneladas em novembro, um aumento de 9,7% em relação ao mês anterior, impulsionada pelo aumento da atividade no setor de petróleo e gás.

A indústria está focada no atendimento da demanda local, como mostra a queda interanual de 30,3% nas exportações em outubro, que totalizaram 0,586 Mt. No mês, as importações registraram um aumento de 10,8% em relação a setembro; sua participação no consumo foi de 28% em outubro, abaixo do nível de 34% entre janeiro e setembro de 2020. O déficit acumulado entre janeiro e outubro foi 17,2% inferior ao registrado no mesmo período em 2019, um declínio significativo para que o consumo regional possa voltar a crescer com o déficit comercial controlado. O consumo aparente de produtos laminados foi de 5,404 Mt, o melhor do ano (ver gráfico).

A China continua sendo uma referência importante na atual situação siderúrgica devido a seu peso relativo na produção, demanda e comércio de matérias-primas. Segundo a worldsteel, a produção de aço da China cresceu 8% interanual em novembro, e 5,5% entre janeiro e outubro de 2020 em comparação com o mesmo período em 2019. Para isso, a China exigiu importações recordes de minério de ferro do mundo, especialmente do Brasil, o que elevou o preço do insumo para níveis de 140 usd/t, acima dos valores registrados nos últimos 5 anos. Uma situação semelhante é observada em outros insumos de aço, como o alumínio e o zinco.

Mas é também motivo de preocupação o crescente investimento chinês nos países latino-americanos, que segundo a Bloomberg, foi de US$ 7,7 bilhões em 2020, mais do que na Europa e na América do Norte juntas. "Este processo causa uma maior dependência que pode se tornar um fator de risco devido às suas práticas comerciais, empresas estatais, desindustrialização e perda de empregos", disse Francisco Leal, CEO da Alacero. "A fase de regionalização e a desintegração das cadeias de valor no mundo, acentuada pela guerra comercial entre a China e os Estados Unidos, abrem uma oportunidade para que os países da região atraiam as empresas que procuram se realocar e que são afetadas por este fenômeno. Para conseguir isso, a América Latina precisa criar condições, tais como acesso à tecnologia, infraestrutura, simplificação administrativa, educação técnica de qualidade, segurança institucional e respeito ao Estado de Direito".

Sobre a Alacero

A Alacero - Associação Latino-Americana do Aço - é a entidade civil sem fins lucrativos que reúne a cadeia de valor do aço na América Latina para promover os valores da integração regional, inovação tecnológica, excelência em recursos humanos, segurança no trabalho, responsabilidade corporativa e sustentabilidade socioambiental. Fundada em 1959, é composta por mais de 60 empresas produtoras e coligadas cuja produção é próxima de 60 milhões de toneladas por ano. A Alacero é reconhecida como um Órgão Consultivo Especial pelas Nações Unidas.

Contato | [email protected]